Adoção em Pauta https://www.adocaoempauta.com.br Por Tatiany Schiavinato Thu, 24 Jan 2019 15:03:58 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=5.3.4 ADOÇÃO: BUROCRACIA X HUMANIZAÇÃO https://www.adocaoempauta.com.br/adocao-burocracia-x-humanizacao/ https://www.adocaoempauta.com.br/adocao-burocracia-x-humanizacao/#respond Thu, 13 Dec 2018 11:00:08 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=842 Habilitação, processo, perfil, laudo, parecer, formulário, entrevistas, comprovantes….já sabe do que se trata né? Burocracia e adoção Muito burocracia nos processos de adoção. E pra onde […]

The post ADOÇÃO: BUROCRACIA X HUMANIZAÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>

Habilitação, processo, perfil, laudo, parecer, formulário, entrevistas, comprovantes….já sabe do que se trata né? Burocracia e adoção

Muito burocracia nos processos de adoção. E pra onde vai a humanização?  Como equilibrar essas duas partes ?

A burocracia é apenas a ponta do iceberg, porque estamos falando de pessoas e o lado burocrático é apenas um dos lados de um processo tão complexo como esse.

Estamos falando também de crianças, adolescentes, vínculos, carências, rupturas, tristeza, solidão, medo, necessidade de afeto, frustração, expectativa, perdas, espera, enfim, uma lista grande de sensações e sentimentos.

Não se pode deixar de lado que por trás de toda a “frieza” do trâmites e legalidades, há o lado humano e frágil de lidar com sonhos e anseios de ambas as partes: adotantes e adotandos, ou melhor, pais e filhos.

São lados da mesma moeda: o amor que se deseja receber, versus o que se pretende “doar”.

E diante de algo tão delicado, é preciso deixar-se humanizar pelas questões presentes na adoção, para que os efeitos da “burocratização” não tire a sensibilidade de um olhar que vá além e contemple aquilo que na maioria das vezes não pode ser visto, mas somente sentido.

Isso vale para os profissionais nos fóruns, abrigos, grupos de apoio, pretendentes, além daqueles que legislam e tem o poder nas decisões que influenciam diretamente na forma como tudo acontece.

E  você que lê esse texto, como estão seus sentimentos diante do processo de adoção? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

 

Com carinho,

Tatiany Schiavinato

Psicóloga

Atendimentos presenciais e online.

The post ADOÇÃO: BUROCRACIA X HUMANIZAÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/adocao-burocracia-x-humanizacao/feed/ 0
ADOÇÃO DE CRIANÇAS DEVOLVIDAS E RECONSTRUÇÃO DE LAÇOS https://www.adocaoempauta.com.br/adocao-de-criancas-devolvidas-e-reconstrucao-de-lacos/ https://www.adocaoempauta.com.br/adocao-de-criancas-devolvidas-e-reconstrucao-de-lacos/#respond Wed, 05 Dec 2018 11:00:33 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1408 Não deveria ser uma situação comum, mas a devolução de crianças adotadas acontece e gera novas marcas de abandono a uma trajetória já impactada pela perda […]

The post ADOÇÃO DE CRIANÇAS DEVOLVIDAS E RECONSTRUÇÃO DE LAÇOS appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
Não deveria ser uma situação comum, mas a devolução de crianças adotadas acontece e gera novas marcas de abandono a uma trajetória já impactada pela perda de vínculos afetivos fundamentais.

Quando isso ocorre, o processo de encontrar uma nova família substituta é novamente iniciada a partir de destituição da família anterior.

Levará tempo para uma reconstrução psíquica de uma nova ruptura e poder compreender a própria história e se reinventar a partir dela.

Recomeçar será necessário, porém a partir dessa experiência que poderá ser traumática.

A criança também idealiza a família onde ela vai ser inserida, ou que ela deseja e a expectativa extremada no caso da adoção explicam parte dos conflitos que surgem na relação familiar.

Nenhuma criança pode satisfazer exigências tão grandes, quando são tão elevadas.

O nível conflitivo está sempre ali rondando e se não for bem administrado prejudica a formação os laços familiares.

 

Reparação.
Crianças e adolescentes que passam por esse processo podem receber reparações.

A expectativa frustrada traz consequências psicológicas, às vezes, até maiores do que ela tinha antes.

Nesse caso, pode ocorrer consequências jurídicas que incluem danos morais e até pagamentos por danos de despesas médicas e psicoterapia que a criança venha a precisa.

Tem que se analisar a razão da devolução e o tempo que isso demorou para acontecer, casos que não têm justificativas consistentes são as que, normalmente, requerem reparação.

Se for constatado que houve abuso de direito ou a devolução ocorreu após a conclusão do processo, é possível a solicitação de pagamento de pensão alimentícia até que uma nova família substituta seja encontrada a criança ou adolescente.

Apoio e preparação.

A preparação dos pretendentes é a forma de evitar que esses casos ocorram e tragam mais transtornos ao desenvolvimento das crianças e adolescentes.

É extremamente importante que os pretendentes frequentem os grupos de apoio a adoção e entre em contato com outras histórias, outras famílias e compartilhe suas angústias.

O grande papel do grupo de apoio à adoção é trabalhar com o e preparo também na pós-adoção. É depois que a criança vai para a família que as coisas começam a acontecer. As dúvidas vêm e as dificuldades no dia a dia aparecem.

É comum que os conflitos ocorram em maior proporção nos casos de adoção tardia e por isso situações como essas precisam ser acompanhadas para que se evitem devoluções.

Os adultos precisam de preparação rigorosa para trabalhar a idealização da criança que vai adotar e isso pode incluir também um acompanhamento especializado em adoção, que irá trabalhar as angústias e expectativas do processo.

Você já passou pelo acompanhamento especializado em adoção?  Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,

Tatiany Schiavinato
Psicóloga

Atendimentos presenciais e online.

The post ADOÇÃO DE CRIANÇAS DEVOLVIDAS E RECONSTRUÇÃO DE LAÇOS appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/adocao-de-criancas-devolvidas-e-reconstrucao-de-lacos/feed/ 0
RELAÇÕES PARENTAIS E SAÚDE MENTAL https://www.adocaoempauta.com.br/relacoes-parentais-e-saude-mental/ https://www.adocaoempauta.com.br/relacoes-parentais-e-saude-mental/#respond Mon, 03 Dec 2018 21:44:12 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1397 Olá, tudo bem com você?? É no interior de uma família que se dão as primeiras relações que servirão de modelos para todas as outras que […]

The post RELAÇÕES PARENTAIS E SAÚDE MENTAL appeared first on Adoção em Pauta.

]]>

Olá, tudo bem com você??

É no interior de uma família que se dão as primeiras relações que servirão de modelos para todas as outras que se desenvolverão fora delas: amigos, parceiros, colegas de trabalho etc.

É com os mais próximos, sejam eles, o pai, a mãe, o irmão, avós, tios, que se experimenta como lidar com as alegrias, frustrações, tristezas e decepções. Por isso o modo como se aprende a comunicar ou não sentimentos, emoções, passar por conflitos e adquirir a própria autonomia diz muito sobre o ambiente familiar em que crescemos.

Ambientes tensos, instáveis e conflituosos geralmente causam maior estresse, ansiedade e sofrimento mental.

Em grupos familiares onde coexistam uma ou mais pessoas que apresentam problemas com álcool e outras drogas, o que geralmente desencadeia comportamentos violentos ou no mínimo imprevisíveis, é provável que num contexto assim, a saúde mental e emocional seja comprometida.

Tendo em vista que o foco seja a saúde e não o adoecimento, é importante que todos os integrantes de uma família sejam vistos como sujeitos com sua própria história, individualidade, vontades e desejo e que não estão meramente sob uma hierarquia.

Assim para que todos tenham vez e voz, é necessário tolerância, paciência e afeto.

Os vínculos criados com esse tipo de suporte são mais duradouros e estão associados à uma integração familiar saudável.

Em caso de um funcionamento disfuncional é recomendado um suporte terapêutico para recuperar ou até mesmo criar um maior equilíbrio e consequentemente melhor qualidade de vida.

E Quando a criança quer saber sobre sua origem?

No contexto da adoção é natural que em algum momento os pais se vejam na dúvida de contar ou não sobre a adoção dos seus filhos e procuram pela melhor ocasião para abordar o assunto com a criança ou adolescente. Como existe ainda muito preconceito em torno desse tema, é comum que os pais não se sintam à vontade para dizer a todos sobre a prática da adoção, com medo que seu filho sofra algum tipo de hostilidade ou até mesmo por sentirem medo que um dia seu filho queira entrar em contato com os pais biológicos e queira abandoná-los.

Em alguns casos quando a criança apresenta alguma dificuldade psíquica, emocional ou de aprendizagem, isso dificulta ainda mais o início dessa conversa, pois os pais acham que ao não tocar no assunto, de alguma forma estão poupando seus filhos do sofrimento. Vale aqui dizer que a superproteção aos filhos, deixa esses cada vez mais dependentes e com menos recursos emocionais para superar os dilemas da vida como um todo.

A verdade é que por mais que falar sobre esse assunto seja bastante delicado, toda criança tem o direito de saber sua história de vida. O ideal seria que desde a adoção, respeitando a capacidade de entendimento de acordo com a idade da criança, esse assunto fosse falado abertamente e conforme as dúvidas fossem surgindo, o esclarecimento e a naturalidade entorno do tema dariam tranquilidade à criança ou adolescente e aumentariam o poder de assimilação dessa questão.

O mais importante é sempre falar a verdade com seu filho e não tornar a hora de contar sobre a adoção um momento tenso ou dramático, onde a criança possa se sentir desconfortável. A melhor forma é estabelecer uma relação de confiança desde o primeiro contato, pois assim, a vida cotidiana será muito mais fácil e leve para ambos os lados e o vínculo estabelecido mostrará que o amor que envolve a adoção e a criação pode ser muito mais forte que os laços sanguíneos.

Você se sente seguro em falar da origem do seu filho? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

The post RELAÇÕES PARENTAIS E SAÚDE MENTAL appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/relacoes-parentais-e-saude-mental/feed/ 0
OS PERIGOS DA ADOÇÃO “DIRETA” https://www.adocaoempauta.com.br/os-perigos-da-adocao-direta/ https://www.adocaoempauta.com.br/os-perigos-da-adocao-direta/#respond Fri, 30 Nov 2018 17:00:48 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1380 “Algumas pessoas para driblar a Lei da Adoção recorrem a uma prática ilegal, chamada adoção direta, na qual ocorre a entrega da crianças, geralmente por parte […]

The post OS PERIGOS DA ADOÇÃO “DIRETA” appeared first on Adoção em Pauta.

]]>

“Algumas pessoas para driblar a Lei da Adoção recorrem a uma prática ilegal, chamada adoção direta, na qual ocorre a entrega da crianças, geralmente por parte da genitora, envolvendo algumas vezes algum tipo de transação financeira.

Ou em vez de procurar a Vara de Infância e da Juventude e seguir um processo oficial de adoção, algumas pessoas, de levar a criança diretamente para casa apenas com a guarda provisória e, muitas vezes, sem nenhum tipo de documentação, e o pior sem nenhuma preparação.

Mesmo com as mudanças na lei, que proíbe essa ilegalidade, é possível encontrar grupos clandestinos negociando essa forma de “adoção” nas redes sociais.

Isso dá margem para que a criança, em vez de sujeito de direitos, passe a objeto de eventuais transações comerciais, o que até mesmo configura uma forma de “trafico humano’ e vai contra tudo que até hoje foi conquistado em termo de Direitos da Criança e do Adolescente.

Entende-se que a demora no processo cause grande angústia e ansiedade naqueles que anseiam e tornar-se pai e mãe, e talvez levados pelo “calor da emoção”, considerem essa proposta como talvez a única possibilidade de adiantar o “desejo” da paternidade/ maternidade.

Mas as consequências podem ser graves para todos os envolvidos, desde o arrependimento de quem “entrega a criança”, quanto da situação instável em que a criança é colocada e poderá ser fonte de conflitos futuramente”

E você conhece a Lei da Adoção? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

The post OS PERIGOS DA ADOÇÃO “DIRETA” appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/os-perigos-da-adocao-direta/feed/ 0
BIRRA INFANTIL E OS TERRÍVEIS 2 https://www.adocaoempauta.com.br/birra-infantil-e-os-terriveis-2/ https://www.adocaoempauta.com.br/birra-infantil-e-os-terriveis-2/#respond Wed, 28 Nov 2018 11:00:44 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1369 Bom dia , como você está ? Por volta dos dois anos a criança já começa a ter noção que ela e a mãe não são […]

The post BIRRA INFANTIL E OS TERRÍVEIS 2 appeared first on Adoção em Pauta.

]]>

Bom dia , como você está ?

Por volta dos dois anos a criança já começa a ter noção que ela e a mãe não são uma só e pra consolidar essa separação, é muito importante conquistar sua autonomia.

É também a fase em que a birra surge e tudo que é não parece soar como sim, dando a impressão que toda essa oposição é só para contrariar os pais. Mas esse teste de limites é fundamental para construir sua própria personalidade.

Ocorre que seu cérebro que está em desenvolvimento, está aprimorando suas funções como controle das emoções por exemplo e certos comportamentos “primitivos”, como se jogar no chão, abrir o berreiro entre outros,são reações do sistema límbico, um desiquilíbrio neurológico passageiro, que chama atenção para alguma necessidade e o correto é lidar com essa situação sem uso excessivo de punição, nem reprimir seu sentimentos.

A criança precisa de auxílio para entender o que se passa com ela mesma e o primeiro passo é se atentar para a comunicação e junto com ela tentar nomear o que está sentindo.

 

O estabelecimento de regras claras é outro fator fundamental que colabora para que ela saiba exatamente qual é o comportamento que se espera para determinada situação. Por exemplo: se vão ao mercado e lá só poderá escolher um doce, comunique isso antes e estipule a consequência se descumprir o combinado. Assim caso ela desobedeça já saberá o que pode acontecer.

Lembre-se ainda: a criança ainda está a descobrir as formas de expressão e os adultos são seus primeiros exemplos, portanto de nada adianta falar pra não gritar se é assim que ela percebe que fazem na sua casa.

Se os ataques de birra persistirem pode ser sinal de quê algo não vai bem emocionalmente e um psicólogo infantil pode ajudar a entender o que há por trás disso, através da terapia e orientação aos pais.

E você acredita que há  necessidade de procurar ajuda profissional para lidar com os ataques de birra do seu filho? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

The post BIRRA INFANTIL E OS TERRÍVEIS 2 appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/birra-infantil-e-os-terriveis-2/feed/ 0
A IMPORTÂNCIA DOS GRUPOS DE APOIO À ADOÇÃO https://www.adocaoempauta.com.br/importancia-dos-grupos-de-apoio-adocao/ https://www.adocaoempauta.com.br/importancia-dos-grupos-de-apoio-adocao/#respond Mon, 26 Nov 2018 13:41:16 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1366 O processo de adoção é permeado de inseguranças e medos de um futuro desconhecido e ainda incerto. Em paralelo, está presente a alegria da realização de […]

The post A IMPORTÂNCIA DOS GRUPOS DE APOIO À ADOÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
O processo de adoção é permeado de inseguranças e medos de um futuro desconhecido e ainda incerto. Em paralelo, está presente a alegria da realização de um sonho e de um dos acontecimentos mais aguardados da vida, a chegada de um filho.

Esse momento muitas vezes é marcado pelo sofrimento e angústia dos potenciais pais, que podem carregar em em si o sentimento de tristeza por não terem podido gerar um filho biológico. Da mesma forma, a criança a ser adotada, pode ter experimentado a dor do abandono e desamparo dos pais biológicos desde muito cedo . Por isso, o processo de adoção é recheado de grandes desafios e expectativas, ao mesmo tempo que exige grande entrega emocional a uma nova e importante fase da vida.

Nesse cenário, é de grande valia um suporte ao casal ou pessoa adotante, que não raras as vezes estão imersos em convicções sociais carregadas de preconceitos e medos, que causam ainda mais angustia a esses futuros pais.

São nos grupos de poio, ou nos grupos terapêuticos que os adotantes conseguem encontrar apoio de outras pessoas que tenham os mesmos interesses e que estão vivenciando as mesmas situações e dúvidas e, por isso, conseguem estabelecer um vínculo importante para o enfrentamento e esclarecimento de questões que permeiam o mundo da adoção.

No trabalho em grupo existe a possibilidade de aconselhamento e de orientação sobre os direitos e deveres aos membros, além de proporcionar um espaço de discussões para se pensar, refletir e entender melhor o processo de adoção e pós adoção.

São nesses grupos, portanto, que ocorre o fortalecimento emocional dos indivíduos, que com o auxílio do terapeuta, outros profissionais, dos componentes do grupo e do próprio paciente, conseguem ressignificar muitas ideias pré-estabelecidas. Claro que nem todas as pessoas se sentem confortáveis em dividir suas experiências com o grupo, e nesse caso é importante fazer uma psicoterapia para se fortalecer e se conhecer melhor.

Frequentemente os pretendentes a adoção apresentam inúmeras fantasias em relação ao futuro filho e muitas vezes o desejo dos pais é adotar uma criança recém-nascida e de pele branca, descartando, assim, a possibilidade de uma adoção tardia.

Porém, o grupo sendo uma célula orgânica e dinâmica, faz emergir novos saberes e promove grandes transformações, podemos até mesmo desmistificar questões como essa. Muitos adotantes reconsideram esses pré-requisitos e acabam abrindo um leque muito maior de possibilidade, mais compatível com o perfil da realidade da sociedade brasileira.

O grupo de apoio, portanto, ajuda a atenuar o sofrimento e a ansiedade da espera dos pretendentes a adoção e proporciona também um maior preparo para os futuros pais que irão receber uma criança ainda desconhecida.

E para você, qual foi a experiência de frequentar um grupo de apoio para o processo de adoção? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

The post A IMPORTÂNCIA DOS GRUPOS DE APOIO À ADOÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/importancia-dos-grupos-de-apoio-adocao/feed/ 0
O que NÃO esperar quando se está esperando… pela ADOÇÃO https://www.adocaoempauta.com.br/o-que-nao-esperar-quando-se-esta-esperando-pela-adocao/ https://www.adocaoempauta.com.br/o-que-nao-esperar-quando-se-esta-esperando-pela-adocao/#respond Fri, 23 Nov 2018 20:00:46 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1351 Não espere que seja rápido, coisas boas sempre demandam muito de nós; Não espere uma criança perfeita. Seres humanos não nasceram para serem perfeitos, e sim […]

The post O que NÃO esperar quando se está esperando… pela ADOÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>

Não espere que seja rápido, coisas boas sempre demandam muito de nós;

Não espere uma criança perfeita. Seres humanos não nasceram para serem perfeitos, e sim viver em busca de serem melhores a cada dia;

Não espere ser fácil. Criar um filho é uma das tarefas mais difíceis desse planeta, amar uma criança de não veio de você vai te exigir algumas habilidades estras;

Não tenha expectativas demasiadas. Deseje, acredite, sonhe e tenha fé que na hora certa você será pai ou mãe.

Não tenha medo dos desafios, prepare-se para eles;

Não negue as dores, os lutos, as indecisões. Elas fazem parte do processo e vão amadurecer suas escolhas.

Não deixe de viver o presente antes da criança chegar. Assim como qualquer maternidade/paternidade, vai te exigir tanto que você sentirá falta de momentos só com você.

Não de ouvidos para preconceituosos.

Não deixe de pedir ajuda quando as coisas estiverem difíceis. Todos nós temos limitações e uma hora ou outra precisaremos de ajuda… de um parente, de um amigo, de um profissional. Seres humanos não sabem viver sozinhos.

E você o que espera da adoção e como procura lidar com suas angústias e indecisões ?Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

The post O que NÃO esperar quando se está esperando… pela ADOÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/o-que-nao-esperar-quando-se-esta-esperando-pela-adocao/feed/ 0
REJEIÇÃO NA ADOÇÃO https://www.adocaoempauta.com.br/rejeicao-na-adocao/ https://www.adocaoempauta.com.br/rejeicao-na-adocao/#respond Wed, 21 Nov 2018 17:00:44 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1330 Adotar é um caminho a ser percorrido que envolve muitos anseios, expectativas e se espera que aquela criança ou adolescente venha para a nova família totalmente […]

The post REJEIÇÃO NA ADOÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
Adotar é um caminho a ser percorrido que envolve muitos anseios, expectativas e se espera que aquela criança ou adolescente venha para a nova família totalmente preparada e aberta para ocupar o lugar de filho, mas pode ser que isso não aconteça tão rapidamente.

Principalmente quando houve vivências muito traumáticas de abandono, negligência e rejeição, a adaptação leva tempo e exige paciência e persistência por parte dos pais para lidar com os comportamentos “testes”.

Dependendo de como se dá essa relação, as crises de convivência pode ser tanto da parte do adotante quando do adotado.

Se os pais não conseguirem assimilar a criança, colocando-a na condição imaginária de filho, ela poderá ser sempre vista como coisa que não pertence a eles e que, por isso, pode ser rejeitada.

E também o contrário, quando a criança inconscientemente alimenta a fantasia de abandono e rejeição dos genitores e isso a faz sentir que pode não ser digna de receber afeto e dificultar o vínculo.

Rejeitar é não reconhecer, recusar o Outro, portanto diante de um sentimento tão forte como esse, é preciso refletir se ao decidir pela adoção, está depositando nesse “outro” altas expectativas as quais ele tem a obrigação de suprir.

 

Todo filho passa pelo processo de ser adotado, porque a filiação acontece gradativamente, não é automática.

Mas é preciso o mínimo de condição psíquica que permita isso já que filhos testam o amor dos pais em busca de confiança e assumir essa tarefa árdua requer energia e investimento afetivo constante.

No decorrer do processo de adoção você acredita que é importante investir na sua saúde emocional?  Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

The post REJEIÇÃO NA ADOÇÃO appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/rejeicao-na-adocao/feed/ 0
A ADOLESCÊNCIA https://www.adocaoempauta.com.br/a-adolescencia/ https://www.adocaoempauta.com.br/a-adolescencia/#respond Mon, 19 Nov 2018 11:00:48 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1306 Bom dia ,como você esta? O adolescer! Ah que fase complexa e rica, que inevitavelmente terá como características, além da mudança do corpo, a ebulição de […]

The post A ADOLESCÊNCIA appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
Bom dia ,como você esta?

O adolescer! Ah que fase complexa e rica, que inevitavelmente terá como características, além da mudança do corpo, a ebulição de hormônios, descobertas, curiosidades e o desabrochar de um “ser” dentro de outro SER.

É um ensaio para vida adulta, com direito a erros e acertos.

O adolescente, por trás daquela “casca dura”, que parece sempre estar na defensiva, pronto para retrucar, se opor ás ordens e imposições do meio social convencional, é muito sensível e que sente o tempo todo.

Sente-se pressionado a escolher, a ter uma postura madura, a ser responsável, sendo que ao mesmo tempo, sua cabeça ainda está confusa, inundada de idéias, sentimentos e sensações que ele ainda não sabe nem nomear.

 

COMPREENSÃO! Sim, essa é a palavra de ordem para lidar com eles. Compreendê-los no seu mau humor repentino, na sua insatisfação persistente, nos seus comportamentos ora infantis ora pedindo para ser “tratado como adulto”…Ao mesmo tempo que irão pedir liberdade, irão mostrar-se vulnerável e carentes.

Não é fácil, estar na pele de quem acabou de sair da infância, onde tudo era “mais fácil”, o choro era acolhido, as quedas amparadas e as vontades satisfeitas, para se deparar com um solidão existencial de tentar descobrir QUEM É, qual a sua identidade, diante da pressão de uma sociedade consumista, que cobra excelente desempenho no vestibular, na vida…resultados rápido, um corpo perfeito e uma mente “sã”.
Como sobreviver diante de tantas possibilidade de “ser feliz”, sem nem ao menos experimentar as frustrações que virão, as decepções amorosas, os fracassos a que todo ser humano está sujeito?

É preciso estar amparado e ser “suportado”.

Pois ao final de tudo isso, é como uma borboleta que surge linda, depois de passar pela diversas fases: um ovo, do qual eclode a lagarta, que busca proteção no seu casulo, para então desabrochar, cheia de cores, energia e vida para alçar novos voos.

Os pais, professores, tios e todos que cercam os adolescentes tem que ser o que é a natureza para ela, a borboleta: um ambiente facilitador, mesmo com suas adversidades.

Deve ouvi-los, acolhê-los e incentivá-los na sua própria descoberta e caminhada. Nunca impedi-los de trilhar seu próprio caminho na tentativa de protegê-los dos “tropeços”, mas sim estar presente quando tudo der errado e demostrar que o amor não está atrelado com desempenho, que você como adulto, não está na posição de juiz, para julgá-los mas sim como ponto de apoio e afeto.

E você já se imaginou como poderá lidar com o seu filho no fase da adolescência  ? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

 

The post A ADOLESCÊNCIA appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/a-adolescencia/feed/ 0
A CULPA É DA MÃE? https://www.adocaoempauta.com.br/culpa-e-da-mae/ https://www.adocaoempauta.com.br/culpa-e-da-mae/#respond Fri, 16 Nov 2018 21:00:37 +0000 https://www.adocaoempauta.com.br/?p=1272 Quando a mulher torna-se mãe, junto com esse papel vem uma alta carga de responsabilidades e cobranças. E há um conflito entre ser “escrava do seu […]

The post A CULPA É DA MÃE? appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
Quando a mulher torna-se mãe, junto com esse papel vem uma alta carga de responsabilidades e cobranças.

E há um conflito entre ser “escrava do seu pimpolho”, o que está longe de ser saudável e separar-se dele de vez em quando, para ter um tempo para si e voltar gradativamente a outras atividades, que não envolva exclusivamente os cuidados maternos.

Existe garantia de maternidade perfeita ?

Não! Porque cada dinâmica familiar é singular, com personalidades diferentes e relações únicas.

Ser mãe não tem que ser uma “tarefa da mulher” e tão pouco uma predestinação feminina, na qual a criança PASSA A SER o centro do Universo.

O sentimento materno deve ser respeitado e muitas mães e pais se veem fazendo tudo pelo seu filho e isso inclui sacrifícios. Mas no caso da mulher , ela não precisa se tornar o PRÓPRIO SACRIFÍCIO, anulando-se ou culpando-se exageradamente por aquilo que talvez não consiga fazer ou entregar.

A palavra chave é DES-CULPAR-SE e aceitar que os moldes, muitas vezes inatingíveis de maternidade impostos atualmente, estão longe de ser o ideal, e cada qual faz a sua maneira, provavelmente dando o seu melhor, o que para a criança basta.

Filhos não precisam de uma mãe esgotada emocionalmente por tentar enquadrar-se nos moldes esperados pela sociedade, de dar conta de tudo.

Inclusive se for necessário por exemplo, deixá-lo na creche para trabalhar, certamente ele irá sobreviver!

O importante é a qualidade do investimento afetivo no tempo partilhado juntos, na entrega que se faz em momento únicos e especiais.

A resiliência, que é capacidade de adaptar-se faz parte da constituição humana e as crianças seguramente nascem com ela!.

Desumano é impor as mulheres que elas devam ser suficientes e eficientes em tudo, inclusive quando são mães…ou não…

E você consegue compreender os seus sentimentos sobre a maternidade ?Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => https://www.adocaoempauta.com.br/minicurso-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

 

 

The post A CULPA É DA MÃE? appeared first on Adoção em Pauta.

]]>
https://www.adocaoempauta.com.br/culpa-e-da-mae/feed/ 0